Marraquexe | O que fazer/ experienciar

Estivemos em Marraquexe numa road trip que fizemos por Marrocos. Esta foi a nossa terceira grande cidade no país e também a que considerámos ser mais confusa, para quem chega de carro (clica aqui para ler o artigo “conduzir em Marrocos”). A condução em Marrocos é muito característica, principalmente na zona norte do país.

 Onde Dormir?

Chegámos já de noite e como íamos de carro e tenda, procuramos um camping no site “Park4night”. Descobrimos um que parecia bom, a cerca de 20 min do centro. Este foi dos campings mais caros que estivemos em Marrocos, custou 9€, duas pessoas, tenda e carro, mas mesmo assim, na relação qualidade-preço, consideramos ser uma excelente opção.O  nome é “Ourika camp”. A decoração é arabe, as casas de banho são muito boas e tem uma bela piscina.

Coordenadas GPS Ourika camp:

N 31°31’35.04” W -7°57’34.992”
31.526400,-7.959720

No dia seguinte fomos para o centro de Marraquexe e estacionámos num parque de estacionamento num dos portões da medina ( Bab Aylan – 31º37’50.3” N 7º58’25”)

Assim que entramos na medina, pela zona sul, a confusão instala-se. Haviam imensos marroquinos a chamar-nos a dizer que o caminho não era por ali, motas, bicicletas, pessoas, mais motas e mais carroças, o caos mesmo. O GPS não funciona na medina de Marraquexe e não tínhamos qualquer tipo de mapa. Tínhamos uma ideia da direcção do caminho, mas sem ajuda era completamente impossível conseguirmos chegar.

Eu (Rita) comecei a stressar um bocado, porque não gosto de perder o controlo das situações. Apareceram uns marroquinos a dizer para os seguirmos, que sabiam o caminho, fomos atrás deles, no final demos 10 dinares, equivalente a 1€ e eles começaram a dizer que aquilo não era nada, e a chamar-nos ‘motherfucker’.. quando disseram isto, voltámos a tirar a moeda das mãos deles. Foram-se embora, mas acabámos por ficar de pé atrás a partir daqui.

No fundo, os marroquinos têm sempre segundas intenções, mas nós não somos obrigados a dar nada a ninguém. No entanto, este foi o único acontecimento menos positivo no total dos 18 dias de viagem. Adorámos Marraquexe!

O único alojamento que reservámos antecipadamente para toda a viagem, foram dois dias numa Riad em Marraquexe. Queríamos muito experienciar uma noite numa típica casa marroquina, mas à medida que se aproximava a data da nossa partida, eram cada vez menos os alojamentos disponíveis e estavam cada vez mais caros. Foi aí que vimos uma Riad que nos pareceu uma boa opção e comprámos através do Airbnb (clica aqui para ter 30€ de desconto na tua próxima reserva)

O nome do alojamento é Riad Safir, usufruímos de 30€ de desconto e pagámos no total 55€, duas noites com o pequeno almoço incluído. O responsável foi muito simpático, ficámos no último andar, onde havia um terraço com vista para a piscina e umas espreguiçadeiras. Não temos absolutamente nada de negativo a apontar, o pequeno almoço era impecável, limpeza muito boa, localização boa tambem..

O que fazer/experienciar em Marraquexe?

Marraquexe é uma cidade única e com muitas coisas a acontecerem ao mesmo tempo. Estivemos dois dias completos e duas noites na cidade, mas achamos que foi o suficiente, tendo em conta a viagem que ainda tinhamos pela frente.

Não gastámos dinheiro a visitar monumentos ou museus em Marraquexe, preferimos aproveitar a vida da cidade e ter experiências de rua. Assim sendo, neste artigo não vai encontrar todos os pontos turísticos que tem que visitar, mas sim, experiências que pode ter.

#1 Passear pela Praça Djemaa El-Fna

Esta é talvez a praça mais emblemática de Marrocos. Uma praça que do dia para a noite se altera completamente. É um local único e com muita vida. Este é a principal zona turistica da cidade.

A praça é enorme e está dividida mais ou menos por zonas, a zona dos sumos, da comida, dos encantadores de cobras, vendedores de rua… É difícil dar dois passos sem que nos abordem por algum motivo, quer para pedir dinheiro, vender camisolas, óculos de sol, chamarem-nos para as suas bancas.. é uma loucura.

Convém ter uma mentalidade aberta e não se aborrecer com estas situações. Marrocos é um país pobre e é normal que tentem fazer dinheiro, connosco, que para eles somos uma fonte de rendimento. No entanto, eles são pessoas muito afáveis, comunicativas e divertidas.

O que fazer na praça Djema El-Fna?

Comer os típicos caracóis marroquinos – cada taça custou-nos 5DH, 0,50€ e a verdade é que adorámos, são um pouco maiores que os que normalmente comemos em Portugal ( embora na sua maioria venham de Marrocos), mas são saborosos.

Jogar ao jogo da “pesca” – consiste numa cana com um pneu pequeno, que temos que colocar no gargalo de uma garrafa de um refrigerante, quem conseguir fica com a garrafa. Custou cerca de 0,20€ (não vimos ninguém a conseguir acertar).

Marraquexe, Marrocos

Fazer uma tatuagem de Henna – São várias as raparigas que estão sentadas em bancos em roda, que nos abordam constantemente para fazer uma tatuagem de henna – estas são tatuagens corporais frequentemente utilizadas no norte de África e na Índia, que saem passado alguns dias. São feitas com um corante cujo o seu nome é Henna. Este material em tempos era utilizado para se refrescarem, até que começaram a perceber que ficavam com o corpo tingido. Foi então que começaram a fazer desenhos criativos, que dizem afastar os maus olhados.

Beber sumos naturais – São imensas as bancas “ambulantes” que vendem sumos na praça. A fruta está exibida toda organizada e por cores. Quando passamos por esta zona os vendedores chamam-nos e cantam para nos atrairem à sua banca. Os sumos são baratos e muito apetecíveis com o calor. O custo do sumo de laranja são 0,40€ e os outros (mix, morango, abacate..) são 1€. Também é frequente venderem sumos em copos de vidro, mas tem que beber no local e devolver o copo, o valor é mais baixo, mas apenas uns centimos.

Ver a praça de um ponto alto – É maravilhoso andar a passear pela praça, mas vê-la de um ponto alto e poder observar o seu movimento e a quantidade de coisas a acontecer, é incrível.

Como não encontrámos um miradouro gratuito, vimos os cafés com roof top e tentámos perceber o que teria melhor vista. Escolhemos um chamado “Glacier”. Há muitas pessoas que querem ter esta vista, sendo que os cafés cobram um valor mínimo para subir. Pagámos 40DH, sensívelmente 4€, por dois chás de menta, mas também podíamos comprar um refrigerante, que o valor era o mesmo.

Marraquexe, Marrocos
Marraquexe, Marrocos

Jantar na praça – Ao final da tarde a praça muda completamente. Montam imensas bancas com comida e mesas, com bancos corridos. Assim que “entramos” nesta área, somos abordados por vendedor atrás de vendedor, eles são muito insistentes e engraçados, convém levar na brincadeira, para não correr o risco de se aborrecer ou se fartar. Em último caso, basta dar um “não” convicto ou dizer que já jantaram. 

Quando nos ouvem a falar, pensam que somos ou italianos ou espanhóis. Quando      percebiam que éramos portugueses, diziam “bacalhau com natas”, “feijoada”, “sardinha”.. muito engraçados mesmo, parecia que tínham levado um briefing de comidas portuguesas. É que não era um a dizer, eram todos com quem falavamos.

Jantámos por duas vezes. Não é o sítio mais higiénico, mas faz parte da experiência, é olhar para o lado e usufruir do momento. As refeições rondavam os 120 DH, 11€. 

Marraquexe, Marrocos

Ver macacos e cobras – Na praça há marroquinos com cobras e macacos para os turistas tirarem fotografias. Nós não achamos muita piada, pelo simples facto de serem animais selvagens e estarem a ser usados para divertimento humano.  Contudo, é possível tirar fotografias com eles. É preciso ter atenção pois por vezes mesmo que digamos que não, eles colocam-nos em cima do ombro e depois pedem dinheiro. Se não quer, diga “não” convictamente, que eles já não chateiam. O mesmo acontece com as cobras. Se tiver a tentar tirar uma foto, mesmo que de longe e eles toparem, vêm logo atrás de nós.

Experiementar uma bebida de gengibre – Esta é uma bebida típica, é de gengibre e um bocado forte. Estava muito quente, então pedimos um pequeno bolo, era tão seco, que até dava uma boa junção. Pagámos cerca de 1€.

Marraquexe, Marrocos
Marraquexe, Marrocos

#2 Mesquita Cutubia

A Mesquita Cutubia é o símbolo de Marraquexe e é também o edifício mais alto da cidade, com 69 metros de altura e 12,8 metros de largura. Situa-se a sudoeste da praça Djemma El-fna ao lado da avenida Mohamed V. O nome deriva do árabe e significa bibliotecário, pois antigamente eram vários os vendedores de manuscritos que rodeavam a mesquita. O seu minarete segue o modelo da mesquita de Rabat (Clica aqui para ler o artigo de “Rabat”), Hassan I.

#3 Regatear 

Regatear é sem dúvida das experiências que mais gozo nos dá. Adoramos regatear e achamos que faz todo o sentido, pois o valor das coisas diverge de pessoa para pessoa.

Aqui não é tudo regateável como em Istambul, mas a maioria dos artigos que se vendem nos Souks (mercados) são. Quando temos interesse em algo perguntamos o preço e eles perguntam logo quanto é que estamos dispostos a oferecer. Vamos dar alguns exemplos de algumas lembranças que compramos em Marraquexe, para terem uma ideia de alguns valores:

  • Puff médio de pele de cabra – 150Dh, 14€  (vimos em Fez por 10€)
  • Espelho árabe – 10€ (comprado a um senegalense perto da mesquita)
  • íman – 1€
  • óleo de aragan/argão – 2€
  • cubo de perfumar (parecem sabonetes) – 1€ (Em El Jadida pediram-nos 5€)
As cidades que consideramos melhores para fazer compras são Marraquexe, Fez (clica aqui para ver o que fazer em Fez) e Meknes (na praça principal tem umas lojas com montes de coisas aos melhores preços que vimos).

#4 Experimentar comida típica

A comida marroquina é muito boa. Nas fotografias estão algumas refeições que fizemos em Marraquexe. A primeira é da nossa Riad, sentamo-nos ao lado da piscina e serviram-nos o pequeno almoço. Tinha o género de umas panquecas que eles comem muito nas ruas, ovos cozidos, pão, iogurte, doces, queijinhos, manteiga, sumo de laranja, café com leite e ainda chá de menta.

As segundas fotografias são das refeições que fizemos na praça Djemma El fna. Comemos uma tagine, talvez o prato mais típico de Marrocos. Consiste num prato de barro com uma tampa em cone, onde se cozinham cozidos ou guisados de legumes, com carne ou apenas vegetarianos. Também comemos um couscous de legumes. Pagámos cerca de 11€.

A terceira fotografia foi de um restaurante que encontrámos com um menú, por 6€. A comida era muito boa. Bebemos sumo natural, lentilhas, um variado de legumes (salada), espetada de carne de frango e uma tágine de carne. Na última fotografia podem ver o restaurante do menú.

Dá para comer por valores mais baratos, sandes e comida rápida da rua.

 

Marraquexe, Marrocos

#5 Passear nos Jardins

Marraquexe tem jardins muito bonitos, que vale a pena dar um giro para ficar a conhcer, no caso de ficarem alguns dias na cidade. A sua flora e o ambiente é muito agradável, as palmeiras estão por todo o lado em Marrocos e em Marraquexe não é excepção. 

Marraquexe, Marrocos

#6 Observar o movimento da Cidade

Marraquexe é uma cidade que nós portugueses (e ocidentais no geral) não estamos habituados. É tudo mesmo muito diferente e é importante parar um bocadinho para observar o que se está a passar à nossa volta. A vida nos souks, as carroças, os burros, as motas, as bicicletas.. é tudo um caos perfeitamente organizado.

Fora da zona mais turística (praça Djema El Fna e região circundante) vemos muitos vendedores nas laterais das ruas, vendem de tudo, uns com coisas que para nós parecem “lixo”, uns só vendem palmilhas, só laranjas/bananas/morangos, só lenços, só hortelã.. cada pessoa vende uma coisa específica, seja aquilo que for.

Sendo um país onde as pessoas são maioritariamente pobres, vêem-se muitos pedintes. Estão constantemente a pedir-nos dinheiro. É cansativo, mas por vezes convém metermo-nos um bocadinho no lugar do outro. Não precisamos de dar, mas também não precisamos de ser agressivos por já estarmos “fartos”.

Conduzir em Marraquexe também é caótico, principalmente à hora de ponta. Não há grandes regras, vêem-se 3,4 e até 5 pessoas a andar na mesma mota, crianças sem capacete..

Também é interessante ver o modo como as pessoas se vestem. A maioria das mulheres tem o corpo completamente coberto, com vestes compridas, umas usam burcas, mas são poucas. Os homens apesar de a maioria serem pobres, parecem limpos e as roupas são normais, alguns até têm estilo. Nós os “ocidentais”, devemos term alguma atenção ao que vestimos. Não é que não possamos vestir isto ou aquilo, mas convém ter algum respeito e não destoar muito.

Marraquexe, Marrocos

#7 Andar pelas ruelas dos souks

Os mercados de Marrocos são chamados de Souk. Marraquexe tem vários mercados de rua, interiores e exteriores.

O que mais se vende são peças artesanais, feitas por artesãos. Vendem-se vários artigos de pele, que são tratadas nas tinturarias e levadas em carrinhos de mão até os artesãos. Fazem carteiras, malas, puffs, mochilas.. é muito interessante observar esta rota de processos por onde os artigos passam até chegarem ás nossas mãos.

Quando estamos a passear são tantas as lojas e tantas as coisas, que parece que vem tudo de fábrica.. mas não, a maioria das coisas são todas feitas à mão por locais, o que é impressionante. Os detalhes são incríveis.

Ajuda-nos a viajar mais 🙂

Queres ajudar a manter o site no ar e a contribuir para a nossa paixão de viajar? Utiliza um dos links abaixo para fazeres as tuas reservas. Para ti não tem qualquer custo e nós recebemos uma pequena comissão. Muito obrigado.

  • Reserva de alojamento através da Booking —-> Clica aqui !
  • Reservas através do Airbnb (30€ de desconto – novos utilizadores) —-> Clica aqui !
  • Compra os bilhetes para os monumentos e experiências através do Get Your Guide —> Clica Aqui !

Outros Artigos

se tiveres alguma dúvida, ou quiseres colocar alguma questão, é só deixar aqui um comentário ou enviar-nos um e-mail para worldonmyway@worldonmyway.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *